quinta-feira, 30 de abril de 2015

Novos Contos - O Homem é muito importante



Há 14,7 bilhões de anos atrás, ocorreu o que hoje se chama “big bang”. Uma expansão aceleradíssima de um ponto de matéria com extrema energia, formando o Universo. Esta matéria foi o que formou o que o vaidoso Homem chamou de estrelas e outras coisas que habitam o Universo. Estas, então, se agruparam, formando o que este mesmo Homem chamou de galáxias. Os cientistas calculam que no nosso Universo existam em torno de 200 bilhões de galáxias. Importante atentar para os zeros. São 200 bilhões. É o número dois seguido de quatorze zeros. Dentre essas, tão somente uma delas, é a Via Láctea, a nossa, onde vivemos. Possui cerca de apenas 100 bilhões de estrelas. Pequena para a grandeza de nosso artigo. Uma entre estes cem bilhões é o nosso Sol, uma estrela anã. Pobre denominação moderna para o nosso astro rei. Quase humilhante. Em sua volta gravitam oito planetas sem luz própria. O terceiro planeta a partir do Sol, ou da assim chamada estrela anã, é a Terra. A Terra é um dos oito planetas que circula ao redor do Sol - e um dos 100 bilhões de estrelas de nossa galáxia, a Via Láctea, entre as que formam duzentas bilhões de galáxias. Vejam a nossa insignificância. No entanto, alguns acreditam que Deus fez isso tudo isso apenas para nós existirmos por aqui. Pior, tem gente que acredita que Deus fez tudo isso só para ela existir por aqui, com suas crenças e suas verdades. Vida, até o momento, também é enfaticamente atribuída a uma exclusividade da nossa Terra. Apenas aqui. Realmente, atribui-se que perto de 30 milhões de espécies estejam vivendo em nosso planeta, apesar de só terem sido classificadas três milhões delas e nós estamos entre as conhecidas. Em 2014, essa espécie ultrapassou os 7 bilhões de indivíduos vivos e morando entre nós. E você é apenas uma delas.
Você é um entre os sete bilhões de indivíduos que compõe apenas uma, dentre as trinta milhões de espécies vivendo neste minúsculo planeta, que é um dos oito que gravitam em torno do Sol, uma estrela desprezível, entre 100 bilhões delas que formam as 200 bilhões de galáxias estimadas no Universo.
Por isso, quando alguém te perguntar: “Você sabe com quem esta falando”, responda a ela: “Você tem tempo para uma historinha?”.


200 BILHÕES DE GALÁXIAS. CADA GALÁXIA TEM 100 BILHÕES DE ESTRELAS QUE TÊM O SISTEMA SOLAR QUE TEM OITO PLANETAS ENTRE ELES A TERRA QUE TEM 7 BILHÕES DE INDIVÍDUOS E UM DELES É : VOCÊ! Insignificante!
 
112 x 38 zeros

domingo, 26 de abril de 2015

Hipertensão arterial sistêmica

Leslie Aloan, Presidente do INASE

O Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial será celebrado neste dia 26 de abril. O Ministério da Saúde estima que cerca de 15 milhões de hipertensos desconhecem que sofrem do mal. A Organização Mundial de Saúde prevê que, em 2015, teremos 10 milhões de mortes por doenças crônicas no país, como é o caso da hipertensão. Atualmente, considera-se que ela é a doença cardiovascular mais frequente no país.

A hipertensão é o aumento da pressão sanguínea no sistema arterial e, além de ser a principal causa de Acidente Vascular Cerebral, está diretamente relacionada ao infarto do miocárdio e à insuficiência cardíaca. Diabetes, sedentarismo, obesidade, estresse emocional, uso abusivo de sal e herança genética são os fatores que mais contribuem para o desenvolvimento de hipertensão arterial.

Em geral, as mulheres tornam-se hipertensas mais tardiamente que os homens: elas, a partir dos 50 anos; eles, a partir dos 40. O distúrbio afeta 10% das grávidas e pode levar ao parto antecipado.

Entre os idosos acima de 70 anos, mais de 70% têm hipertensão arterial. Estilo de vida e má alimentação levam 5% de crianças e adolescentes a precisarem de tratamento. No Rio de Janeiro, a hipertensão juvenil está em torno de 7%. Em Belo Horizonte e Florianópolis o índice é de 12%. Em Salvador, 4% das crianças e adolescentes têm hipertensão arterial.


A prevenção é o melhor remédio: hábitos saudáveis, não consumir álcool em excesso, perder peso e fazer atividades físicas regularmente são as regras para fugir da pressão alta. O perigo da hipertensão é que ela é geralmente assintomática e os sintomas são tardios. Por isso é importante reforçar: a prevenção é o melhor remédio.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Dia do beijo


Leslie Aloan, Presidente do INASE

“Viajei no infinito dos teus olhos e me perdi no delírio de teus beijos”
Milla Sousa

 
O Dia do Beijo é comemorado em 13 de abril em todo o mundo.  Esta data celebra o ato de beijar que, na cultura ocidental, é considerado um gesto de afeição. Se praticado entre amigos, pode ser para um cumprimento ou despedida. Entre casais é geralmente dado nos lábios, como um símbolo de afeição romântica.  Mas de onde surgiu o beijo? Quem foi a primeira pessoa no mundo a beijar? O site mensagenscomamor.com passeia sobre o tema com leveza e apresenta algumas curiosidades.

Em Roma, era normal que os imperadores permitissem serem beijados nos lábios pelos nobres mais influentes, e os menos importantes beijavam suas mãos. Os romanos tinham 3 tipos de beijos: o basium, trocado entre conhecidos; o osculum, dado apenas em amigos íntimos; e o suavium, que era o beijo dos amantes.

Na Escócia, era costume que o padre beijasse os lábios da noiva ao final de uma cerimônia. Este era como uma bênção para que o casal tivesse felicidade na vida conjugal. Já na festa, a noiva geralmente beijava todos os homens em troca de dinheiro.

Na França, o beijo é aquele em que as línguas se entrelaçam. Também é conhecido como beijo de língua. A expressão foi criada por volta de 1920. Na França, o beijo francês é conhecido por beijo inglês.

Na Inglaterra, durante o período da Renascença, o beijo na boca era uma forma de saudação muito comum. Ao chegar na casa de alguém, o visitante beijava o anfitrião, sua mulher, todos os filhos e até mesmo o cachorro e o gato.

A Índia parece que lançou este gesto, já que evidências mais antigas na literatura são atribuídas à textos indianos, que datam de 2500 antes de Cristo. As referências mais antigas de beijos foram esculpidas por volta de 2.500 a.C. nas paredes dos templos de Khajuraho, também na Índia.

Na Pérsia, na Antiguidade, os homens trocavam beijos na boca. Mas só valia para pessoas do mesmo nível. Se um dos homens fosse considerado hierarquicamente inferior, o beijo deveria ser dado no rosto.

Na Grécia Antiga, só era permitido beijo na boca entre pais e filhos, irmãos ou amigos muito próximos.

Na linguagem dos esquimós, a palavra que designa beijar é a mesma que serve para dizer cheirar. Por isso, no chamado "beijo de esquimó", eles esfregam os narizes. No Nordeste brasileiro, também se usa a palavra "cheiro" no lugar de "beijo". Em nenhuma língua celta existe a palavra "beijo".
Recorde de beijos

O americano Alfred A. E. Wol estabeleceu o recorde mundial de beijos. Ele beijou 8.001 pessoas em oito horas.

Beijo histórico
Em 1942, o filme Casablanca emocionou audiências do mundo inteiro com a cena do beijo de despedida que o personagem de Rick (Humphrey Bogart) dá em Ilsa (Ingrid Bergman).
Em 2005, também o filme Brokeback Mountain causa furor em praticamente todos os lugares do mundo em que foi lançado. A cena em que Ennis (Heath Ledger) reencontra Jack (Jake Gyllenhaal) pela primeira vez em anos, e se beijam logo imediatamente, é uma das mais lembradas. Acabou por levar um MTV Movie Award de melhor sequência de beijo.

Beijo proibido
O último episódio da telenovela brasileira América causou muito furor quando um prometido beijo homossexual masculino - que seria o primeiro em telenovela brasileira - dos personagens Júnior (Bruno Gagliasso) e Zeca (Erom Cordeiro) não ocorreu. A cena foi escrita pela autora e gravada, mas a Rede Globo optou por não exibi-la, frustrando os telespectadores. Em 2014, na novela Amor à Vida, aconteceu entre os atores Mateus Solano (Felix) e Thiago Fragoso (Niko).

O beijo no filme
O primeiro filme vencedor do Oscar de melhor filme, Wings (Asas), também foi o primeiro filme a mostrar dois homens beijando-se. Trata-se de um beijo na face, entre dois grandes amigos, os personagens Jack Powell e David Armstrong, no momento em que esse último estava à morte, ferido em batalha aérea. O beijo foi apresentado de forma fraternal, absolutamente não-sexual e não-erótica.

Proibição de beijos
Em 1439, o rei Henrique VI proibiu os beijos na Inglaterra para evitar a proliferação de doenças. Oliver Cromwell, no século XVII, proibiu que fossem dados beijos aos domingos na Inglaterra. Os infratores eram condenados à prisão. Em 1909, um grupo de americanos que consideravam o contato dos lábios prejudicial à saúde criou a Liga Antibeijo.

Estátua
Boatos no final do século XIX atribuíam à estátua do soldado italiano Guidarello Guidarelli, obra do século XVI assinada por Tullio Lombardo, o poder de arranjar casamentos fabulosos a todas as mulheres que a beijassem. Desde então, mais de 7 milhões de bocas já tocaram a escultura em Veneza.

Nobreza
No século XV, os nobres franceses podiam beijar qualquer mulher. Na Itália, entretanto, se um homem beijasse uma donzela em público, era obrigado a casar imediatamente.

Curiosidades
No beijo são movimentados 29 músculos da face. Estima-se que em toda vida as pessoas dão cerca de 24 mil beijos. Um beijo de língua tem o poder de queimar até 12 calorias em 10 segundos. A cada beijo, são transmitidas em torno de 250 mil bactérias.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

DIia Mundial de Combate a Doença de Parkinson



Leslie Aloan, Presidente do INASE

A Doença de Parkinson ocorre devido à degeneração das células nervosas (neurônios) situadas numa estrutura do cérebro, designada de substância nigra. Estes neurônios produzem uma substância designada dopamina (um neurotransmissor), que atua como um mensageiro químico responsável pela transmissão de sinais que garantem a atividade dos músculos. A diminuição dos níveis de dopamina cria um desequilíbrio com a acetilcolina, outro neurotransmissor. Este desequilíbrio entre os dois neurotransmissores faz com que que os indivíduos sejam incapazes de controlar os seus próprios movimentos de forma normal. Os sintomas motores da Doença de Parkinson tornam-se evidentes quando 60 a 80% das células dopaminérgicas deixam de funcionar normalmente. A dopamina está também associada à eficiência do processamento de informação, pelo que a sua deficiência pode ser também responsável por problemas de memória e de concentração. Nas últimas décadas, a Doença de Parkinson tem sido investigada intensamente sem que a sua causa tenha sido ainda encontrada. A hipótese mais consensual neste momento é que a causa não seja única mas multifatorial.
O Dia Mundial da Doença de Parkinson é comemorado  em 11 de abril. A doença atinge 1% da população mundial acima dos 65 anos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Só no Brasil, cerca de 400 mil pessoas são portadoras deste mal. Apesar dos números serem preocupantes, a doença ainda não é tão conhecida. É a segunda doença neuro degenerativa mais comum. A doença pode manifestar-se pela quinta ou sexta década da vida, e só excepcionalmente mais cedo. Os casos diagnosticados antes dos 40 anos são raros, constituindo cerca de 5% dos casos de DP de início precoce.
Com o atual tratamento, a esperança média de vida destes pacientes é de cerca de 15 anos após o início dos sintomas. De acordo com especialistas, para o tratamento da Doença de Parkinson é necessário sessões de fisioterapia, fonoaudiologia, além de ter um suporte psicológico e nutricional com a finalidade de reduzir o prejuízo funcional decorrente da doença. Dessa forma, é possível que o paciente tenha uma vida independente e com qualidade por muitos anos.